Retro Games Revival: Abril 2013

26 de abr de 2013

Time Curb

Um bom Shmup vertical de Steve Course. Mais uma vez conta com a voz de Ronald van der Putten.

Intro animada
Claramente inspirado no Time Pilot da Konami, Time Curb poderia ser o Time Pilot 2 com algumas implementações e uma modificação nos comandos. Mas acho que o intento era diferenciar um pouco mesmo.

Jogar Time Curb é desviar dos tiros e das colisões com as naves inimigas e, atirar em todas que puder até passar de fase.

Mas diferente de Time Pilot, nossas naves se movimentam entre a direita e a esquerda apenas. E não temos outros elementos (paraquedistas e "naves mães") como em Time Pilot. Apenas atiramos nos inimigos.


Gameplay
Putten anuncia o jogo sobre uma introdução animada. E sua voz também apresenta cada fase. São elas:
  • World War I
  • World War II
  • Korean War
  • Modern Times 
  • Furture Times

Como em Oh, Shit!, o humor se faz presente! Entre essas fases, há pequenas animações envolvendo pilotos e naves, todas bem cômicas. 

Uma das animações entre fases
Em cada fase pilotamos uma nave diferente e temos inimigos diferentes também. Se alguém viaja no tempo é apenas piloto que encarnamos.

Apesar de aparecer marcação de Plasma e Laser desde o inicio, essas armas só estarão disponíveis nas fases avançadas, a Modern Times e a Furture (trocadilho bem sacado e apropriado) Times.

Há um desenho de naves abaixo da tela de gameplay. Esse desenho vai se apagando gradativamente conforme você vai abatendo inimigos.

Lá no canto superior direto são suas vidas. Se você perde uma, o desenho de naves inimigas "reseta". A fase volta ao inicio, mas a pontuação não.

Marcação de Score
Quando você perde jogo (Putten também anuncia o Game Over), pode registrar seu score. E a tela e o modo de fazer isso é bem bacana.

Bons gráficos, musica de introdução (Toccata e Fuga em Ré menor, de Bach)*, bons efeitos sonoros e boa jogabilidade. 

Parece limitado em relação a o Time Pilot, mas tem seus encantos. É um jogo bem legal.
Vale a pena jogar umas partidas de Time Curb.

Confira o vídeo do nosso amigo Chung (link na ficha).

*Obrigado Adriano Peçanha pela lembrança da obra.

Nota: A fase final é fuRture times, com R mesmo. Obrigado Fernando Cunha JR pela observação.

FICHA
  • Jogo..............TIME CURB
  • Release........AACKOSOFT (1986)
  • Sistema........MSX1
  • Estilo.............Shmup, Nave Vertical
  • Vídeo
 


18 de abr de 2013

Toofy´s Winter Nuts

Introdução
Segundo jogo do personagem Toofy de Paul Jenkinson. E esse "Toofy 2", é um jogo de plataforma, pula-pula simples, como é a maior parte dos jogos realizados com o AGD de J.Cauldwell. 

Ah, sim! Nem todos os AGD Games são de pulo-plataforma, nem o Toofy 1 (Toofy in Fan Land) é. Alias, T.I.F.L. é um jogo com uma proposta mais interessante do que esse Toofy 2.
É possível que em breve (ou não tão em breve) Toofy in Fun Land seja resenhado aqui. 

Mas então, qual o motivo do Toofy 2 aparecer aqui primeiro?
O motivo foi que eu testei, fui jogando e acabei terminando. Então estou aproveitando para registrar...



O Jogo

Como dito anteriormente, é um jogo de pulo-plataforma simples - nada difícil mesmo -, e gostoso de jogar.   

O canalha do Toofy (que eu não imagino que bicho é) resolveu dar um prejuízo aos esquilos. 
Como o título do jogo já diz, ele resolveu coletar (roubar se aplica melhor) nozes para passar o inverno. 
Jogar Toofy's Winter Nuts é simplesmente saquear nozes, pular e se esquivar dos inimigos pelos cenários. 

Em alguns momentos, os cenários lembraram um pouco os de ANTIQUITY JONES, e em outros, os de CHOPPER DROP.  
Vale salientar que apesar disso, todos esses cenários estão muito bem feitos.
Os Inimigos
Além dos esquilos rondando quase todas as telas, temos um esquilinho sinistro que flutua, subindo e descendo. Ele me lembrou um Baphomet como apresentado por Eliphas Levi

Nas fases finais, também teremos rochas rolando e peixes para pular ou se esquivar.

Conclusão
O jogo conta com uns efeitos sonoros... diria que, clássicos no Speccy. E a "musica"  de background, é uma marcação (também) clássica de bateria.
Somando isso tudo com uma ótima jogabilidade, Toofy´s Winter Nuts me pegou! Quando vi, cheguei ao fim e não vi o tempo passar. 

Joguei cinco fases bem diversificadas, elaboradas com várias telas.

Paul Jenkinson tem o dom de fazer esses jogos pegajosos e,  que são diversão garantida. Jogos que prendem por serem descompromissados, sem estresse de completar a missão, porem, paradoxalmente, quando você menos percebe... você completa! Surge o CONGRATULATIONS.

Nota:
Eu não sei como está a versão1.2, mas eu detectei um bug como em Antiquity Jones, ao qual consistia em travar o personagem no cenário quando entravamos pulando de uma tela para outra.


Referências:
Toofy's Winter Nuts na  Random Kak (de Paul Jenkinson)
Toofy's Winter Nuts na  WoS (Download, mapas, infos)
Vídeo de Gameplay:  AQUI

Aprenda AGD e faça seu jogo com os Tutoriais em Vídeo de Paul Jenkinson: AQUI
 
  FICHA
  • Jogo..............TOOFY´S WINTER NUTS
  • Release........PAUL JENKINSON (2013)
  • Sistema........ZX SPECTRUM
  • Estilo.............Plataforma, Pulo, Ação


Pac-Man VIC-20

Aqui está o Pac-Man na versão oficial da Atari para o VIC-20.
Tudo muito parecido com Jelly Mosnters... e não é para menos. Mais adiante explico.

Antes, vamos fazer uma breve mas, inevitável comparação entre as versões Commodore e Atari
Os gráficos me parecem iguais, ou pelo menos são muito parecidos.
Os efeitos sonoros são legais, mais inferiores aos de Jelly Monsters.
O labirinto tenta ser mais fiel ao da versão arcade, porem, assim ele ficou achatado e curto demais. O que por si só, já atrapalha a jogar. Mas a jogabilidade já é mesmo um pouquinho truncada.

Apesar de parecer bastante sugado de Jelly Monsters, não é uma versão ruim. Ou.. não é ruim por ser sugada.
A Atari fez muita coisa pior com seus Pac-Mans oficiais pelas plataformas nas quais explorou a franquia.

A explicação para a Commodore não ter lançado Jelly Mosnters como o Pac-Man oficial do VIC-20, é que a Atari detinha o direito no ocidente.

Um pouco de história burocrática 
Quando o VIC-20 foi lançado em 1980 lá no Japão, softhouses locais tiveram a tarefa de desenvolver alguns títulos; inclusive, três clássicos instantâneos da NAMCO: Rally-X, Galaxian e Pac-Man

Quem desenvolveu Jelly Monsters foi a HAL Laboratory, que é sinonimo de qualidade, com certeza.

Mas o problema é que esses jogos eram licenciados apenas na terra do sol nascente.

A partir daí, vocês podem imaginar os problemas entre a Commodore e a Atari.
Ainda bem que, pelo menos hoje é fácil encontrar esses jogos.

Agradeço ao Carlos Bragatto e ao José Agripino da lista Canal-3. A partir do papo com eles, essa matéria se tornou possível.

Referência: Retrogamer

Sobre essa versão na:
Games Database  (dona das screens)

Jogos para VIC-20: AQUI  



FICHA
  • Jogo..............PAC-MAN
  • Release........ATARI SOFT (1983)
  • Sistema........VIC-20
  • Estilo.............Labirinto, Ação, Perseguição
  • VÍDEO

17 de abr de 2013

Jelly Monsters

Jelly Monsters
Apesar do nome meio que fora do comum (mas com razão) para categoria, Jelly Monsters se trata de mais um ótimo clone de Pac-Man. 

E assim como na versão do MC-10 de Greg Dionne, esse jogo é mais um clone que consegue melhor resultado do que alguns jogos do estilo em maquinas mais parrudas.

Dentro dos limites, Jelly Monsters, de uma forma geral, é bem fiel ao Pac-Man original. Os efeitos sonoros, os shapes - grandes e bem feitos. 
O labirinto também é bem feito. Alias, o mais interessante nele é que a marcação das frutas e das vidas estão embutidas no próprio labirinto, enquanto os scores acima, bem no estilo característico dos jogos do VIC-20.

Por fim, a jogabilidade é boa.

Mas nem tudo são as mil maravilhas em  Jelly Monsters. Vamos aos seus pecados.

Não temos tela de abertura e nem animações. 
E talvez por ter shapes muito grandes, o color clash é bem feio mesmo. Agente as vezes acha que foi pego, mas é só impressão.

De qualquer forma, é mais um bom Pac-Man que catalogamos aqui no RGR.

Parabéns para Commodore. 
Mas por que será que deixaram a versão do C64 nas mãos da Atari Soft???
A resposta para essa pergunta e outras elucidações relevantes estão na versão do Pac-Man oficial do VIC-20.

Jogos para VIC-20: AQUI 

FICHA
  • Jogo..............JELLY MONSTERS
  • Release........COMMODORE/ HAL Laboratory  (1981)
  • Sistema........VIC-20
  • Estilo.............Labirinto, Ação, Perseguição
  • VÍDEO


11 de abr de 2013

P-III

Pitfall III - The Wrath of Kingcrock
Segundo jogo do Gabriele Amore, mais uma vez, usando o AGD de Cauldwell.
Com esse segundo trabalho, novamente ele homenageia uma franquia clássica. Dessa vez foi um sucesso da Actvision, o inesquecível Pitfall, sucesso iniciado em 1982, desde a época do Atari 2600.

4 de abr de 2013

Ghost Gobbler

Ghost Gobbler
Clone tosco, tosco. Introdução animada? Não. Não tem introdução ou tela de abertura. Alias, até tem tela de abertura, mas só de texto, para configuração.
E  tenho quase certeza que não há animações entre as fases (não joguei muito).

Poucas cores e desenhos feios de uma forma geral. 
Por exemplo, não tem frutas, mas um borrão abaixo da casa dos fantasmas, e por aí vai.

Os efeitos sonoros são igualmente pobres.

Salva a jogabilidade. Realmente boa. Flui muito bem.

Curiosamente tem um túnel invisível perto do centro inferior (na parede a esquerda), mais ou menos na direção da casa dos fantasmas. 
É um teletransporte lá para a parte superior esquerda.
Esse artifício me lembrou o Super Puck-Man do Apple ][.

Infelizmente, só mesmo para conhecer e catalogar aqui no RGR. O pior de tudo, é que os outros clones do CoCo são piores.

Até entendo o cara (Nick Marentes) que programou um clone - REALMENTE - do Pac-Man original do arcade. Mas essa versão só roda no CoCo3

Dificilmente eu vou jogar e catalogar outro Pac-Mando do CoCo. Mas vocês podem ver outras "tentativas" de clonar o Pac-Man nessa plataforma na ótima matéria do Eduardo Luccas (Luccas Corp), chamada Jogos com Nomes Engraçados no CP400 e TRS-Color

Não se trata apenas de uma apresentação comparativa de Pac-Mans, mas de muitos jogos dos arcades e de suas inspiradas (ou nem tanto) versões no CoCo.

Referências:

FICHA
  • Jogo..............GHOST GOBBLER
  • Release........SPECTRAL ASSOCIATES (1982)
  • Sistema........ TRS-80 (CoCo)
  • Estilo.............Labirinto, Ação
  • Vídeo

Pac-Man MC-10

PAC-MAN MC-10
Surpreendente versão do Pac-Man para o modesto TRS-80 MC-10 da Radio Shack. Realmente abusando da criatividade nas limitações! 

Os fantasmas por exemplo, ficam todos em vermelho e são diferenciados apenas pelos olhos.

E falando em olhos, o fundo verdão solta aos olhos, parecendo um programa em basic do TRS... mas não é basic! Não poderia ser mesmo. O jogo foi criado em código de maquina!.

A parte gráfica é toda em verde, amarelo, vermelho e azul aliadas a ótimos shapes.

Bons efeitos sonoros também configuram nessa versão.

O jogo apresenta velocidade e ótima jogabilidade.

Mas o que torna essa versão do Greg Dionne tão especial? Simples! O resultado obtido na escassez de recurso do MC-10!
Tudo bem que esse Pac-Man só roda com a "poderosa" expansão de 16k de RAM, mas...

Greg tirou muito leite de pedra de uma maquininha super modesta e trouxe a luz uma versão do Pac-Man muito bem resolvida.

Vale apena uma conferida no vídeo do Juan Castro: AQUI

Aproveito o ensejo para agradecer ao Juan pela apresentação desse ótimo Pac-Man do MC-10.


Referências:
Charlie’s TRS-80 MC-10 web page

DCAlice

FICHA
  • Jogo..............PAC-MAN
  • Release........MED SYSTEMS/ KEN KALISH (1983)
  • Sistema........ TRS-80 MC-10
  • Estilo.............Labirinto, Ação
  • Outro VÍDEO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...